Advogado de policiais femininas emite nota sobre promoção

Eu sou Homem e tenho vergonha de dizer na minha casa que as Policiais Militares Femininas são obrigadas a bater na porta da Justiça para serem promovidas, quando desde 1996 lutam por isso.

SERGIPE – O advogado Madson Santana, que responde pelas Policiais Militares Femininas, emitiu nota explicando o processo.

Confira, abaixo, a nota:

Caros amigos,

Acompanho o processo das Policiais Militares Femininas há 15 anos e me orgulho da nossa caminhada. “As meninas”, como as chamo, já passaram por muitas provações, tentando apenas buscar algo que lhes foi injusta e ilicitamente tolhido: o direito à promoção. Forças do mal tentam desmerecer a posição delas e questionam, inclusive, dezenas de decisões judiciais já transitadas em julgado. Vejo declaração de advogados e até Deputados que sequer conhecem os processos, afrontando decisões do nosso Poder Judiciário, que com o domínio das muitas provas e do direito debatido, apenas garantem que essas guerreiras continuem avançando na carreira militar. Queria dizer aos senhores que não existem policiais militares femininas e policiais militares masculinos, mas apenas Policiais Militares. Essa celeuma e divisão de gênero foi criada apenas por aqueles que tentaram alcançar vantagens indevidas às custas de pessoas que julgavam ser de um sexo frágil. As minhas constituintes buscam na Justiça o que lhes foi, vergonhosamente, negado no seio da corporação. Vejo hoje pessoas dizendo que mais de mil (1000) policiais foram prejudicados por pouco mais de quarenta (40) policiais femininas. A conta não bate. A ignorância e a estupidez pode até vencer no grito, o grito dos covardes, mas não se sustenta diante do Direito e da Justiça. A única ação rescisória transitada em julgado, apenas confirmou a preterição que as autoras sofreram. Eu sou Homem e tenho vergonha de dizer na minha casa que as Policiais Militares Femininas são obrigadas a bater na porta da Justiça para serem promovidas, quando desde 1996 lutam por isso. Somos um país democrático, uma República e essa conduta de perseguição de servidoras públicas pelo sexo, esse sexismo, é algo que deveria ser investigado e punido, jamais praguejado como verdade. As meninas, hoje, devem ser promovidas e não ficar estagnadas esperando que todos os policiais masculinos sejam promovidos na sua frente. Isso é Justiça, o resto é mentira, ignorância e sexismo. Viva ao Estado de Direito! Viva à Democracia! Viva à Justiça!

Por Madson Santana

Deixe seu comentário...