AMESE oficia Ministério Público sobre situação do IML em Sergipe

Funcionário do IML alega que crânios de pessoas falecidas são abertos com a utilização de serrotes.

SERGIPE – No último dia 27 de setembro, a ASSOCIAÇÃO DOS MILITARES DO ESTADO DE SERGIPE oficiou o Ministério Público, na pessoa do Promotor de Justiça Deijaniro Jonas, solicitando que seja apurada denúncia realizada por diretor do IML no sítio eletrônico do Jornalista Habacuque Vilacorte.

O funcionário do IML alega que crânios de pessoas falecidas são abertos com a utilização de serrotes, dada a falta de equipamentos apropriados para os trabalhos.
“Há algum tempo vimos denunciando a falta de humanização do IML e como as pessoas que tem entes queridos falecidos, cujos corpos esperam liberação, sofrem naquela unidade da SSP. Agora vem mais esta denúncia. Imagine o que mais deve estar faltando no Instituto? Acreditamos que o Ministério Público chamará o feito à ordem e o tratamento ao público e as pessoas falecidas irá melhorar”, foi o que pontuou o presidente da AMESE, o sargento Jorge Vieira.
 
Bomba!
Em entrevista ao radialista Gilmar Carvalho, na FM Jornal, na manhã dessa quarta-feira (25), o representante da categoria denunciou que o diretor do IML, em retaliação à greve da categoria, está descontando as horas não trabalhadas. O sindicalista externou a falta de condições de trabalho pelas quais os trabalhadores estão submetidos.
Exclusiva!
Na entrevista a Gilmar Carvalho, o sindicalista denunciou que “tem geladeira no IML que nós precisamos acumular três corpos! Não temos condições de trabalho. Para abrir um crânio estamos utilizando serrote e isso não é o adequado”, denuncia. Com a palavra a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe…

Deixe seu comentário...