Após aumento do diesel ministros da “Infraestrutura e Agricultura” reúnem-se com caminhoneiros para evitar nova paralisação

Encontro com chefes de 2 ministérios, governo tenta evitar nova paralisação.

BRASÍLIA/DF – Depois do anúncio do aumento de R$ 0,10 no diesel que sacramentou a decisão do governo de não interferir nas decisões da Petrobras, a equipe do presidente Jair Bolsonaro age agora para colocar em funcionamento outras medidas que minimizem os problemas financeiros alegados pelos caminhoneiros. O objetivo é evitar uma nova paralisação da categoria.

Na noite de 4ª feira (17.abr.2019), líderes da categoria foram recebidos pelos ministros Tarcísio Freitas (Infraestrutura) e Tereza Cristina (Agricultura). Wallace Landim, o Chorão, distribuiu 1 vídeo sobre o encontro nos grupos de WhatsApp:

Assista, abaixo, ao vídeo:

BRASÍLIA/DF – Eles falaram sobre a contratação de caminhoneiros autônomos para transportar grãos estocados pelo governo na Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). O assunto foi acertado na negociação que encerrou a greve do ano passado. “Vamos destravar”, prometeu Tereza Cristina.

Tarcísio afirmou que o preço do diesel deixará de ser motivo de preocupação para os caminhoneiros depois que for colocado em funcionamento o novo sistema de pisos mínimos elaborado pela Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo). A medida incorporará as variações do preço do combustível, bem como considerará fatores que hoje não são levados em conta, como o tipo de pavimento a ser percorrido.

A montagem desse novo sistema já foi concluída, disse Tarcísio. O governo vai analisá-lo e fazer eventuais aperfeiçoamentos antes de colocá-lo em operação.

A tabela que está valendo atualmente foi elaborada às pressas no ano passado, para encerrar a greve, mas contém erros. Entidades como a CNI dizem que ela é impossível de ser cumprida e questionam sua constitucionalidade.

Na reunião, falou-se sobre uma articulação para aumentar a contratação, pelas empresas, dos serviços dos autônomos. “A gente veio buscar trabalho para a categoria”, afirmou Chorão no vídeo.

Também, estamos desenvolvendo com o apoio do governo iniciativas para abaixar o custo da atividade do autônomo”, escreveu o caminhoneiro em uma mensagem enviada à base pelo WhatsApp.

Ele informou que irá com Tarcísio ao Espírito Santo na próxima semana. O Estado foi escolhido como piloto para implantação do DT-e (Documento de Transporte Eletrônico), que será exigido nos transportes de carga e só será emitido se o valor do frete obedecer aos pisos mínimos estabelecidos pelo governo. Segundo explicou Chorão à base, o documento “promete garantir o cumprimento do piso mínimo e amenizar as oscilações do diesel no mercado através do seu gatilho”.

O DT-e ataca o principal problema apontado pelos caminhoneiros: a falta de uma fiscalização que garanta o cumprimento da tabela. Eles se queixam que as empresas não a têm cumprido e que os motoristas autônomos são constrangidos a aceitar o serviço com preço menor sob ameaça de não serem mais contratados. A ANTT não tem quadros para atuar in loco em todo o país, por isso trabalha nesse sistema.

AUMENTO DO DIESEL PROVOCA INSATISFAÇÃO

Após o anúncio da alta de R$ 0,10 no litro do diesel, caminhoneiros ameaçaram uma paralisação em todo o país em 1 prazo de, no máximo, 10 dias.

“Esse governo está louco”, afirmou o caminhoneiro Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, e considerado 1 dos líderes da greve de 2018. A informação foi publicada nesta 5ª feira pela revista Veja.

Dedéco afirmou que a solução para o impasse seria congelar o preço do diesel até que haja 1 piso mínimo para o frete.

FONTE: PODER360

 

Deixe seu comentário...