Belivaldo continua a fazer o mesmo que outros políticos tradicionais, diz sargento

Infelizmente, aqui na Terra do Cacique Serigy, parece que nada mudou.

Foto arquivo (Mira Geral)

SERGIPE – Quando utilizou o slogan “Chegou para resolver”, o então candidato a Governador Belivaldo Chagas passou a impressão para toda a sociedade sergipana de que sua gestão seria diferente de tudo ao que se acostumou ver no Estado de Sergipe e de que haveria uma ruptura com o paternalismo político. Realmente houve uma enxurrada de novos nomes eleitos para ocupar os executivos dos demais estados brasileiros e os mesmos estão mostrando a que veio, governando pelo exemplo.

Infelizmente, aqui na Terra do Cacique Serigy, parece que nada mudou. As velhas práticas comezinhas de fazer politica são realizadas sem nenhuma vergonha ou pudor.

Todos os sergipanos sabem que o funcionalismo público está há quase oito anos sem sequer a reposição da inflação nos seus vencimentos. Enquanto isso, nosso ilustre líder maior foi aquinhoado com um reajuste de quase 17 por cento em seu subsídio.

O governador procurou a mídia e tratou de negar que soubesse deste reajuste. Porém, nada fez para impedir o recebimento do mesmo. Registramos que o nosso chefe do Executivo já recebe duas aposentadorias públicas bem polpudas.

Quanto ao fato de negar saber ou conhecer a lei, segundo o advogado Hebert Pereira, trata-se de uma mentira do governador. Um vídeo de autoria do causídico já circula na internet para provar.

                                                                    

Não bastasse ter aumento em seu subsídio (assim como a vice-governadora) e receber duas aposentadorias públicas, Belivaldo continua a fazer o mesmo que outros políticos tradicionais sempre fizeram.

Usando muito bem a “lei”, nomeou o próprio genro como Secretário da Casa Civil. Registramos que esta nomeação não é ilegal. Porém, em tempos de respeito à coisa pública, trata-se de ato – a nosso ver – imoral.

Anteontem, o renomado jornalista Jozailto Lima publicou em seu site (clique aqui) a nomeação da filha do Governador como Diretora do SENAC em Sergipe:

“Priscila é conhecida em Sergipe por ser filha do governador Belivaldo Chagas e esposa do atual secretário de Estado Geral de Governo, José Carlos Felizola. Mas esta Coluna Aparte de maneira alguma debita sob esses dois parentescos a escolha do nome dela para chefiar o Senac. Ela tem certa experiência profissional e parece ser comprometida com aquilo que faz.”

Quanto à parte final do comentário do jornalista, não polemizaremos. Em Sergipe há mais de 70.000 profissionais de nível superior, boa parte desempregada, esperando uma oportunidade deste nível.

Assumindo o governo, logo Belivaldo tratou de exonerar diversos cargos em comissão. Os seus eleitores fiéis ficaram extasiados:

chegou para resolver!

Não! Não chegou!

Exonerou os antigos. Novos nomes são anunciados a cada dia. Basta ler o Diário Oficial:

Leia, abaixo, o Diário Oficial do Estado de Sergipe

Realmente, os ventos da nova forma de fazer política passaram a centenas de quilômetros de Sergipe.
Estivesse antenado com as boas práticas que vemos nos demais estados, Belivaldo Chagas faria a diferença: a palavra convence e o exemplo arrasta!

Vejam o que fez o governador Romeu Zema acerca do pagamento do salário dos servidores públicos e pensionistas do Estado de Minas Gerais:

                                                           

É esperar para que esses quatro anos de “resolução” passem o mais rápido possível e que os ventos reais da nova política aportem nesta amada terra. Não há luz no fim deste túnel.

Por: JORGE VIEIRA DA CRUZ
Um simples sargento reformado

Deixe seu comentário...