Busca Ativa revela em Sergipe 27 mil crianças e adolescentes fora da sala de aula

Dado foi revelado durante a reunião do Busca Ativa, que aconteceu UNINASSAU Aracaju.

SERGIPE – Cerca de 27 mil crianças e adolescentes estão fora da sala de aula no Estado de Sergipe. O dado foi fornecido pelo chefe de Educação da UNICEF no Brasil, Ítalo Dutra, durante a reunião de gestão sobre o projeto Busca Ativa Escolar, realizado nos dias 13 e 14 na Faculdade UNINASSAU Aracaju. O plano, segundo ele, é levar para a escola, ou de volta a ela, jovens e adolescentes entre 4 e 17 anos. O evento reuniu, além dos representantes da UNICEF, gestores da Secretaria de Estado da Educação e professores dos municípios sergipanos.

A organização do evento na faculdade foi da coordenadora de Letras e Pedagogia, Niraildes Machado Prado, que considerou de suma importância a UNINASSAU receber a reunião que focou no objetivo de zerar o analfabetismo e evitar a evasão escolar, levando de volta à sala de aula alunos que nela já estiveram e saíram com o propósito de não voltar. O diretor da UNINASSAU Aracaju, Yuri Neiman assegurou que a faculdade está de portas abertas não só para sediar encontros dessa natureza, mas para apoiar e incentivar a educação em todos os níveis.

Ítalo disse que é de suma importância que seja respeitada a faixa etária em que a criança e o adolescente não podem estar fora da sala de aula. “A idade compreendida entre 4 e 17 anos requer cuidados e esse jovem têm que estar na escola”, atentou o chefe da Educação da UNICEF. Ele ressaltou que o evento teve como objetivo discutir com os municípios sergipanos a importância de pôr em prática a busca ativa e ir atrás das crianças e adolescentes, levá-los para a sala de aula, onde receberão conhecimento necessário para construir suas vidas.

Causas diretas

O trabalho, conforme explicou Ítalo, é feito pelos municípios através de suas associações, lideranças religiosas, e todas as entidades de classe que desejem se engajar na campanha. “´São inúmeras as causas que afastam uma criança e um adolescente da escola entre eles o bulling, homofobia, racismo, sucessivas repetências por dificuldade de aprendizado”, explicou o representante da UNICEF.

SEDUC – A diretora do Departamento de Educação da Secretaria de Estado da Educação – SEDUC, Ana Lúcia Muricy, disse as escolas da rede estadual de educação, localizadas nos municípios de Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão, são as que possuem os maiores índices de distorção relacionada a idade-ano, nos ensinos médio e fundamental.

FOTO: Assessoria

Deixe seu comentário...