Continua o impasse no hospital Nestor Piva e secretária acaba sendo vaiada

Continua o impasse entre os médicos e a prefeitura de Aracaju.

As Unidades de Pronto Atendimento de Aracaju continuam sem atender a população

ARACAJU/SE – Continua o impasse entre os médicos e a prefeitura de Aracaju que embora tenha anunciado nesta segunda-feira (07) que havia resolvido o problema, após anunciar a contratação e uma empresa para gerenciar o Hospital Nestor Piva, não é isso que se viu na manhã desta terça-feira (08).

A população continua sem atendimento médico e para complicar ainda mais a situação, quem procura atendimento está sendo orientado a ir para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) que já está superlotado.

As informações são de que uma equipe do Conselho Regional de Medicina (CRM) esteve na unidade e participou de uma reunião com a secretária da Saúde, Waneska Barbosa, que além de ter que resolver o problema da unidade, agora enfrenta a revolta de servidores que ficaram insatisfeitos com o anúncio da transferência deles para o Hospital Fernando Franco.

A informação da suposta transferência dos servidores terminou com a secretária sendo vaiada, quando chegou à unidade para a reunião com o CRM. Waneska Barbosa explicou que não haverá prejuízos para os servidores e que a empresa ficará responsável pela escala médica e qualquer mudança que for feita será com o conhecimento dos trabalhadores.

O valor do contrato com a empresa é de R$ 2 milhões ao mês com vigência de um semestre e segundo a secretária, os atendimentos serão totalmente normalizados após a vistoria da escala que está sendo feita pelo CRM.

Intervenção ética

No último sábado (05), o Conselho Regional de Medicina do Estado de Sergipe (CRM/SE) determinou a interdição ética das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Nestor Piva e Fernando Franco, em Aracaju.

Deixe seu comentário...