ELEIÇÃO 2020: PSC vai com PSB; PT terá candidato e Edvaldo segura PSD E MDB

Três candidatos já são tidos como certos em Aracaju.

ARACAJU/SE – Desde o início desta semana santa que algumas reuniões ocorreram entre cúpulas partidárias, para definição de aliança para 2020. Três candidatos já são tidos como certos: o próprio prefeito, Edvaldo Nogueira (PCdoB), que tentará a reeleição; deputado Gilmar Carvalho (PSC), que tem anunciado isso publicamente, e o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, que trabalha discretamente para isso.

Conversas sobre a sucessão municipal de Aracaju rolam tanto na Capital sergipana, quanto em Brasília, entre os prováveis candidatos e membros de outras legendas que armar estrutura para disputar as eleições do próximo ano, dentro de uma composição para a Câmara Municipal, mas com interesse em apoiar um nome capaz de eleger-se prefeito e se fortalecer politicamente a partir da Prefeitura.

O presidente do PSB, ex-deputado Valadares Filho, conversa muito e diz que o seu partido terá candidato, sem descartar a possibilidade dele mesmo ser o nome. Nas conversas entre lideranças, a informação é de que Valadares deixa passar a possibilidade de disputar a Prefeitura de Aracaju, mais com o objetivo de manter a sigla presente nas discussões políticas, do que por convicção pessoal. Valadares Filho não pretende retornar à Brasília, mas mantém o desejo de retornar a disputar o Governo em 2022.

Conversas com o PSC – O ex-deputado Valadares Filho intensificou sua conversa com a cúpula do PSC e pode levar sua legenda a uma aliança com Gilmar Carvalho. Não são conversas condicionais, mas concretas. Valadares foi que falou sobre a indicação de um nome do PSB para ser o vice de Gilmar e, na terça-feira (16) tomou café da manhã, no Quality Hotel, com o presidente municipal do PSC em Aracaju, e acenou bem para uma aliança entre os dois partidos.

Valadares já teve conversa rápida com o presidente regional do PSC, ex-deputado federal André Moura. Trocaram palavras rápidas. Mas é provável que o próximo café da manhã, no mesmo hotel, a presença de Moura esteja garantida, para levarem adiante o projeto de uma composição firme. O PSC está muito animado com o resultados desses encontros com o PSB e até fará uma recomendação a Gilmar Carvalho para ele ser mais expansivo e trocar o “eu”, que ele usa tanto, pelo “nós”.

Márcio será nome do PT – O Partido dos Trabalhadores já espalha, através de seus líderes maiores, que terá nome próprio para a Prefeitura de Aracaju. Ninguém foi citado, mas a referência é o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo. Depois de um twitter da vice-governadora Eliane Aquino (PT), anunciando que defende candidato próprio à sucessão municipal em Aracaju, outros nomes da cúpula do partido adotou a mesma posição, como foi o caso do senador Rogério Carvalho.

O presidente regional do PT, deputado federal João Daniel admite que a tendência é essa e já conversou tanto com Rogério, quanto com Márcio e Eliane Aquino. Os três mantém a posição de candidatura própria. Terça-feira (25), João Daniel tem encontro marcado com a tendência petista Articulação de Esquerda, para saber a posição do grupo sobre a disputa pela Prefeitura de Aracaju.

Neste sábado (20) um membro importante do PT, integrante da tendência Unidade na Luta, disse que o resultado “desse encontro todos já podem anunciar: a Articulação de Esquerda foi a primeira a defender uma candidatura petista à Prefeitura de Aracaju.

Além de Márcio Macedo, o nome da vice-governadora Eliane Aquino é citado como uma das prováveis candidatas, mas dentro da sigla a candidatura de Márcio Macedo é mais assimilada. Ele tem feito contatos importantes, como uma conversa em almoço com a filha do ex-governador Marcelo Déda e outro membro do PT que trabalha na Câmara Federal. O rapaz quer disputar vaga na Câmara Municipal e Márcio teria admitido que ele seria.

Como fica Edvaldo – Com uma candidatura petista, o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) terá um partido a menos na aliança. Exatamente o PT que sempre fez aliança com ele para eleição à Prefeitura e chegou a ela, pela primeira vez, em 31 de março de 2006 e permaneceu até 31º de dezembro de 2010, com a decisão do então prefeito Marcelo Déda disputar o Governo.

O PT fez Edvaldo prefeito pela primeira vez e o ajudou a retornar em 2016, dentro de uma aliança ampla em que também incluía o então PMDB e outros partidos.

Caso o Partido dos Trabalhadores saia da Aliança que elegeu Edvaldo Nogueira a eleger-se prefeito de Aracaju e lance candidatura própria, haverá mudanças numa composição que vem desde 2006. Mesmo assim, o prefeito vai para a reeleição com o apoio do MDB, liderado em Aracaju por Jackson Barreto; PSD e talvez o PDT que tem como presidente o deputado federal Fábio Henrique, mesmo que a legenda seja de oposição ao PCdoB na cidade de Nossa Senhora do Socorro.

Como o PCdoB não terá mais candidatura a prefeito em 2020, por razões do resultado do pleito de 20’8, em que o partido não fez coeficiente para se manter, Edvaldo pode estar filiado ao próprio PDT, cujas conversas foram iniciadas antes do carnaval.

Por Diógenes Brayner

 

Deixe seu comentário...