Especialista afirma que causas de abalos sísmicos em Sergipe são naturais

O município de Malhador foi o que mais sofreu com a ação da onda sísmica.

SERGIPE – No último sábado, 19 de janeiro, foram registrados três tremores de terra no município de Malhador. De acordo com o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, responsável por monitorar esses acontecimentos no Nordeste, o primeiro tremor aconteceu às 4 horas e 38 minutos. Já o segundo foi registrado por volta das 8 horas da manhã, enquanto o terceiro aconteceu aproximadamente 30 minutos depois.SERGIPE –

Em visita à Assembleia Legislativa de Sergipe, a professora Aracy Senra, coordenadora do Grupo de Pesquisa e Estudos em Geologia e Áreas Afins da Universidade Federal de Sergipe, explicou que o epicentro do tremor foi registrado no município de Ribeirópolis, mas que devido à formação geológica do solo, o município de Malhador foi o que mais sofreu com a ação da onda sísmica.

Ela explicou ainda que este tipo de acontecimento no estado não é recente. “Apesar do que muita gente imagina, o Brasil não é um país assísmico, ou seja, sem tremores de terra. Sergipe registra abalos sísmicos desde 1919, fato que aconteceu em Aracaju. O importante é tranquilizar a população sobre estes sismos; são fenômenos naturais e que podem ocorrer novamente. Vale salientar que, nos últimos anos, estes tremores não têm oferecido grandes danos à população”, disse a professora Aracy Senra.

A especialista enfatizou que é preciso uma união entre estudiosos e o poder público para conscientizar a população sobre os tremores. “Em alguns municípios não existe Defesa Civil. É preciso unir esforços de todos os segmentos da sociedade para saber se tudo está sendo construído da maneira correta, se todas as fiscalizações estão sendo feitas corretamente. E essa troca de informações contribui para a prevenção de possíveis consequências desses danos”, disse.

Tremores em Sergipe

Somente neste mês de janeiro Sergipe registrou dois tremores: o primeiro aconteceu no dia 9, com um abalo de magnitude 2.5 na escala Richter. Já o segundo foi registrado no dia 12, dessa vez com menor intensidade, 1.7 graus na escala Richter.

No dia 14 de dezembro de 2018 foi registrado outro tremor de terra, dessa vez no município de Gararu. O abalo foi sentido também em Propriá, Amparo do São Francisco, Nossa Senhora da Glória e Porto da Folha.

Por Júnior Ventura

FOTO: Capa: Reprodução Internet

Deixe seu comentário...