Fecomse continua na luta para fechamento das Convenções Coletivas dos comerciários

Fecomse continua na luta para fechamento das Convenções Coletivas dos comerciários

Compartilhe...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Print this page
Print

“O que o setor patronal está querendo é aumentar os seus ganhos através da exploração dos trabalhadores. É no mínimo vergonhoso o processo de negociação com o patronato do comércio de Sergipe, em vários segmentos. O que a gente pede é que os empresários tenham sensibilidade e respeito pelos trabalhadores”. O desabafo é do presidente da Federação dos Empregados no Comércio e Serviços de Sergipe (Fecomse), Ronildo Almeida, sobre o processo de negociação das Convenções Coletivas de Trabalho dos comerciários em geral, que continua sem avanços para a maioria dos setores.

Para se ter um ideia, as datas-bases são em janeiro e maio- a depender do segmento do comércio-, já houve várias rodadas de negociação, mas o patronato não quer o fechamento das convenções. Não aceita dar o reajuste salarial e melhorar as condições de trabalho.

“Estamos atravessando um momento difícil para os trabalhadores. Com a reforma trabalhista, o setor patronal reforçou seu poder de ganho, por meio da exploração. A Federação tem procurado a paz, o caminho da negociação e, claro, buscar  resultados para os trabalhadores. Veja bem: nós estamos falando de reajuste salarial, onde temos datas-bases em janeiro e maio, e muitas negociações estão abertas, como farmácia, concessionárias, varejistas de Tobias Barreto, atacadistas em geral, tintas e derivados da construção”, argumenta Almeida.

O sindicalista lembra que uma empresa se sustenta e tem lucratividade tendo por bases dois pilares. “O setor patronal entra com o capital e a nossa receita, digamos assim, é a mão de obra, entramos com nossa força de trabalho. É isso que faz gerar a empresa, e não justifica as pessoas viverem sem reajuste salarial.”

Ronildo Almeida destaca, ainda, alguns avanços obtidos nesse processo de negociação, como o fechamento da Convenção Coletiva dos trabalhadores dos supermercados. “Conseguimos fechar com o ramo dos supermercados, com reajuste retroativo, em 2,5%, ratificando todas as cláusulas da Convenção Coletiva anterior”, explica.

Nesse sentido, o presidente da Fecomse apela à sensibilidade do setor patronal para que atenda as reivindicações dos comerciários. “Existe uma dívida moral e econômica do setor patronal com os trabalhadores, que influi diretamente na harmonia entre capital e trabalho. Os trabalhadores estão fazendo a sua parte, que a sua jornada diária. O que estamos defendendo é que o setor patronal, no mínimo, pague aos trabalhadores as perdas desses períodos que estão em abertos”, defende Almeida.

Foto Ascom  Fecomse

Por Tereza Andrade