Feirantes de Itabaiana estão ansiosos pela inauguração da Ceasa

A Central de Abastecimento de Itabaiana (Ceasa), Agreste de Sergipe.

ITABAIANA/SE – Com a conclusão da obra, que será ainda no primeiro semestre deste ano, os feirantes e clientes vão poder desfrutar de um espaço amplo e moderno para organizar os produtos e abastecer as feiras dos povoados e municípios próximos
A Central de Abastecimento de Itabaiana (Ceasa), Agreste de Sergipe, vai trazer uma nova forma de dinamizar a economia da região. Com a conclusão da obra, que será ainda no primeiro semestre deste ano, os feirantes e clientes vão poder desfrutar de um espaço amplo e moderno para organizar os produtos e abastecer as feiras dos povoados e municípios próximos. A obra tem investimento de pouco mais de R$ 30 milhões.

No mercado da cidade, os feirantes, que vão se beneficiar com a mudança, já contam os dias para a inauguração da Ceasa. Há 15 anos atuando em feiras livres, Magna Santos relata que pessoas de municípios da Bahia já compram produtos em Itabaiana. Ela acredita que, com a construção da Ceasa, esse fluxo irá aumentar.

“Lá vai ser mais organizado e acho que a feira tende a melhorar também. O fluxo de veículos grandes, como caminhões, ocupa muito espaço aqui no mercado quando vem descarregar os produtos, mas deve diminuir. Na Ceasa tem estacionamento e, assim, o trânsito melhora como um todo. Com isso espero que melhore a questão da limpeza também”, diz, cheia de expectativa.

Outro feirante que espera ansioso a inauguração da Ceasa é o jovem Ramon da Cunha Silva. Segundo ele a feira terá mais espaço com a finalização da obra.

“Eu soube que também terá padronização das bancas, então vai ficar mais organizado com cada banca na sua área. Dessa forma, vai diminuir o fluxo de cargas descendo no meio da feira, atrapalhando quem vem fazer compras e ainda vamos ter mais espaço para trabalhar, além de ter um maior espaço para armazenar os produtos”, espera Ramom.

A obra

Cerca de 100 funcionários trabalham diretamente na obra que tem três blocos e todo o serviço está sendo pensado na mobilidade de pessoas com mobilidade reduzida e conta com, além dos banheiros específicos, áreas de circulação com rampas e pisos táteis. O bloco A será composto pelo setor administrativo, 12 boxes e dois espaços destinados a unidades bancárias, totalizando 1.470,30 m².

Com 3.637,58 m² de área construída, o segundo bloco (B) vai ser destinado ao setor de varejo (produtos agrícolas), com 36 boxes para o mercado do produtor e 55 varejistas, todos eles com 12,00 m² de área. Além dos boxes, serão construídos 54 balcões para varejistas, que somam 548,90 m², além de quatro banheiros masculinos e quatro femininos, sendo que metade serão específicos para pessoas com mobilidade reduzida.

Destinado ao setor de atacado, o bloco C, que está em fase de finalização, será o maior de todos. Com área equivalente a 4.501,10 m², ele comportará 61 boxes para frutas, legumes e hortaliças, 24 boxes para grãos, raízes e tubérculos, 25 boxes para açougue (carne bovina, suína, frango e pescado). Todos eles com área de 24,00 m², além de seis banheiros masculinos e femininos, sendo dois exclusivos para pessoas com mobilidade reduzida.

A Praça de Alimentação tem uma área de 867,18 m², com espaço para sete restaurantes e/ou lanchonetes, área de circulação, quatro banheiros masculino e feminino, sendo dois específicos às pessoas com dificuldades de locomoção. A construção tem ainda guaritas, casas de lixo e gás, reservatório e castelo d’água.

FOTO: Mário Souza

Deixe seu comentário...