Laércio debate relações comerciais entre Brasil e Itália em grupo de trabalho

De acordo com Laércio, o Brasil é considerado mercado prioritário para a internacionalização.

BRASÍLIA – O Brasil e a Itália têm longa tradição de relacionamento, com intenso diálogo político, intercâmbio de visões sobre temas da agenda internacional e ampla proximidade social, cultural e econômica. Como se trata de um país em que o governo pretende estreitar ainda mais os laços, o deputado federal Laércio Oliveira concorreu e foi eleito nesta quarta, 20, membro da diretoria do Grupo de Trabalho Brasil – Itália na Câmara dos Deputados.

De acordo com Laércio, o Brasil é considerado mercado prioritário para a internacionalização das empresas italianas. “Em senso realizado pela Embaixada da Itália no Brasil, estima-se em mais de 1.200 o número de empresas italianas operando no país. Diante desse possível aumento das relações comerciais, resolvi fazer parte do grupo de trabalho que vai atuar em diversas áreas como migração, cultura, mas o meu foco dentro do grupo será o comercial, envolvendo geração de empregos para os brasileiros”, disse.

Relações comerciais

A tradicional presença de empresas de origem italiana no Brasil aumentou nos últimos anos. A Itália está entre os 10 principais investidores no Brasil. A agência italiana Ansa informou que as trocas comerciais entre Brasil e Itália voltaram a crescer em 2017, após três anos de queda. O que chegou a 7,5 bilhões de euros, alta de 7% em relação a 2016.

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Econômico italiano, o resultado foi puxado pelo crescimento na exportação para o Brasil de vinhos (+62,9%), que totalizou 26,2 milhões de euros, e de azeites de oliva (+16,5%), com 18,8 milhões de euros. O Brasil é o principal mercado para as exportações da Itália na América Latina, totalizando US$ 3,96 bilhões.

De acordo com o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior brasileiro, o país importou sobretudo reatores nucleares, caldeiras e aparelhos mecânicos (US$ 1,17 bilhão), produtos farmacêuticos (US$ 345,6 milhões), máquinas elétricas e aparelhos de som e imagem (US$ 279,2 milhões) e veículos terrestres (US$ 235 milhões).

Por outro lado, o Brasil vendeu US$ 3,56 bilhões em mercadorias para a nação europeia em 2017. Entre os itens mais exportados estão pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas (US$ 588,5 milhões), café, chá e especiarias (US$ 496,5 milhões), peles (US$ 342,4 milhões) e ferro e aço (US$ 334,7 milhões).

Extradição de Battisti

O presidente do grupo Rubens Bueno lembrou que o grupo trabalhou intensamente para atender a uma das principais demandas do povo italiano que era a extradição do terrorista Cesare Battisti, que se encontrava foragido, mas na condição de refugiado político no Brasil, desde 2010. Ele foi preso na Bolívia e devolvido à Justiça da Itália.

Além disso, assinalou a importância da visita ao Brasil da ministra da Defesa da Itália, Elisabetta Trenta, entre os dias 22 e 28 de janeiro. Em Brasília, ela reuniu-se com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e com os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.

Além da capital, a ministra italiana visitou os estados de Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro para os contatos decorrentes do processo de definição da indústria que irá fabricar navios de defesa marítima para o Brasil.

Por Carla Passos

FOTO: Assessoria

Deixe seu comentário...