Laércio solicita ao ministro da Saúde a destinação de castramóveis para Sergipe

O parlamentar também solicitou a liberação de emendas parlamentares de sua autoria.

BRASÍLIA – O deputado federal Laércio esteve com o ministro da Saúde Henrique Mandetta para discutir a implementação em Sergipe de políticas públicas em defesa dos animais, visto que o Ministério passou a financiar unidades móveis para o controle de zoonoses, chamadas de castramóveis, via emenda parlamentar de Laércio. O parlamentar também solicitou a liberação de emendas parlamentares de sua autoria para construção, reforma e manutenção de postos de saúde em diversos municípios sergipanos.

A rubrica é nova no ministério, mas “castramóveis” já eram comprados por municípios, com verba dos estados, por exemplo. O ministro afirmou que havia “demanda muito grande” para que a pasta repassasse recursos políticas públicas em defesa dos animais. E que a unidade móvel para centro de controle de zoonoses tem rodas, mas não motor, e precisará ser rebocada.

De acordo com Nazaré Moraes, presidente da ELAN – Educação e Legislação Animal, ONG que luta por políticas públicas em Sergipe, o castramóvel pode fazer a esterilização cirúrgica de animais domésticos e também dos abandonados. “Controle populacional de animais domésticos é extremamente necessário como forma de prevenção em saúde e segurança públicas. Castramóveis são instrumentos inclusive de educação quanto ao trato ético que devemos dispensar aos animais”, disse, acrescentando que para cada bebê humano, nascem cerca de 15 cães e 45 gatos.

De acordo com Laércio, todos os organismos nacionais e internacionais de saúde enfatizam que só a esterilização maciça, continuada e ininterrupta, pode controlar a superpopulação de animais domésticos e combater as zoonoses, que associadas a outras medidas como educação e sensibilização, adoção responsável, evitam a colocar em risco a população humana, uma vez que o aumento do número de animais sem uma adequada assistência torna-se fator facilitador de disseminação de doenças para os animais e os humanos.

Laércio destaca ainda a questão econômica da causa. Segundo o IBGE, existem no Brasil mais de 50 milhões de cães e 22 milhões de gatos de estimação. Esses números impressionantes ajudam a entender o sucesso de um dos negócios que mais crescem, que é o mercado pet. Com faturamento previsto de R$ 19,2 bilhões e expansão de quase 7% em relação ao ano passado, o setor resiste à crise. O mercado de animais de estimação representa 0,38% do produto interno bruto (PIB).

Saúde básica

O deputado discutiu ainda com o ministro a importância da liberação das emendas na área de saúde para ajudar na estruturação da saúde básica dos municípios. O ministro confirmou que todos os recursos destinados via emenda individual será liberado. Eles também falaram sobre as mudanças no programa Mais Médicos. “Com as modificações no programa, saindo os médicos cubanos, entraram os médicos brasileiros e todas as vagas estão ocupadas. Mas nós vamos fazer umas mudanças estruturantes. Ao invés de Mais Médicos, defendemos Mais Saúde. Esse modelo medico centrado é ultrapassado. Vamos trabalhar com equipes de saúde”, explicou o ministro.

Por Carla Virginia Passos

FOTO: Assessoria

Deixe seu comentário...