Ministro do STJ nega habeas corpus e Valmir Monteiro tem mal-estar no PRESMIL

Prefeito está preso por supostos desvios de verbas públicas e à prática do crime de lavagem de dinheiro.

Por questão de segurança a foto foi distorcida

ARACAJU/SE – O prefeito Valmir Monteiro (PSC), preso por supostos desvios de verbas públicas do Matadouro Municipal de Lagarto e à prática do crime de Lavagem de Dinheiro, teve um mal-estar nesta sexta-feira (01), no Presídio Militar do Estado de Sergipe (Presmil) na Travessa Adauto Botelho, Bairro Pereira Lobo em Aracaju. Depois que tomou conhecimento da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ele foi medicado e passa bem.

Segundo informação passada a redação do MIRA GERAL, parte da família do prefeito já estava no local esperando um resultado positivo do STJ, o que não aconteceu e causou o mal-estar com Valmir.

O ministro Rogério Schietti do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou há pouco por volta das 20h10 horas desta sexta-feira (01) o habeas corpus em favor do prefeito de Lagarto, Valmir Monteiro (PSC). Ele vai permanecer preso no Presmil. Valmir já solicitou licença do cargo à Câmara Municipal e que deve ser apreciada pelos vereadores na quinta-feira (07). Valmir não estipula prazo de afastamento e pede que vice-prefeita Hilda Ribeiro assuma o mandato.

A alegação exposta por Valmir Monteito é de que está detido judicialmente e assim fica impossibilitado de administrar o município. Caberá a Câmara levar o assunto para ser votado no plenário da casa na primeira sessão que deve ocorrer na quinta feira, uma vez que terça-feira (05) é feriado de carnaval.

Segundo fonte bem avisada ligada ao grupo da vice-prefeita Hilda Monteiro, internamente discute-se a possibilidade dela não assumir o cargo, porque não deseja enfrentar os problemas da administração. Passado o prazo da aprovação da licença e a vice não ocupar a Prefeitura, ela pode ser cassada e o presidente da Câmara Municipal ocupará o cargo de prefeito até uma nova eleição.

Por Eduardo Ferreira

Reprodução autoriza desde que se citada a fonte

 

Deixe seu comentário...