Pediatria do Hospital de Lagarto dobra o número de atendimentos

A unidade passou de uma média histórica de 400 atendimentos por mês para quase 900.

LAGARTO/SE – Devido ao aumento significativo do número de atendimentos no Hospital Universitário de Lagarto (HUL) desde janeiro deste ano, a unidade informa que o tempo de espera para atendimento de pacientes classificados como de baixa complexidade (não urgentes) tem sido maior. No primeiro quadrimestre, por exemplo, foram atendidos cerca de 20 mil usuários.

Desse total, 68% foram classificados como de baixa complexidade (branco, azul ou verde) ou não urgentes, o que representou um total de cerca de 14 mil usuários nessa condição. O aumento da demanda está refletindo também no atendimento pediátrico do hospital, que passou de um média histórica de 400 atendimentos/mês para quase 900 atendimentos/mês, mais que o sobro do número de atendimentos.

No último final de semana, por exemplo, a unidade hospitalar acolheu e prestou atendimento a 569 usuários. Desse total, 423 foram considerados atendimentos de baixa complexidade, o que representa 74,34% dos atendimentos realizados no final de semana pela unidade hospitalar. De acordo com a classificação para atendimento adotada pelo hospital, do total de 569 atendimentos realizados, 14 foram classificados como branco, 15 como azul, 394 como verde, 130 como amarelo, 15 como laranja e 2 como vermelho. Também foi substancial o número de internações para as áreas de Ortopedia, Clínica Geral, Pediatria e Clínica Médica.

Vocacionado e pactuado para realizar atendimento de Urgência e Emergência na Região Centro Sul de Sergipe, a média de atendimentos prestados a pacientes de baixa complexidade nos dois últimos trimestres (último de 2018 e primeiro de 2019) pelo Hospital de Lagarto foi de 69,58% (20.935 pacientes não urgentes), de um total de mais de 30 mil atendimentos realizados nesses últimos seis meses.

“Para evitar uma espera ou desconforto maior até a prestação do atendimento, é importante que os pacientes sem maior gravidade ou não urgentes procurem como referência de atendimento UPA’s ou UBS’s que estejam ofertando serviços em seus respectivos municípios ou localidades”, ressalta o superintendente do HUL, professor Valter Santana.

FOTO: Ascom HUL

 

Deixe seu comentário...