[VÍDEO] Pessoa com HIV é “despesa para todos no Brasil”, diz Bolsonaro

Ele afirmou que “uma pessoa com HIV, além de ser 1 problema sério para ela, é uma despesa para todos aqui no Brasil”.

Compartilhe...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Print this page
Print
© Sérgio Lima/Drive O presidente Jair Bolsonaro costuma dar entrevistas a jornalistas ao sair da residência oficial. Nesta 4ª (5.fev.2020), falou de políticas públicas para mulheres e comentou a possibilidade de reforma ministerial

BRASÍLIA/DF – O presidente Bolsonaro comentou nesta 4ª feira (5.fev.2020) a campanha de abstinência sexual da ministra Damares (Mulher e Direitos Humanos). Ele afirmou que “uma pessoa com HIV, além de ser 1 problema sério para ela, é uma despesa para todos aqui no Brasil”.  O presidente relatava o caso de uma jovem que supostamente teve o 2º filho aos 15 anos e que contraiu HIV na 3ª gravidez.

As declarações foram feitas a jornalistas e apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. O presidente acrescentou: “essa liberdade que pegaram ao longo do PT que vale tudo chega a esse ponto, uma depravação total”. Assista o momento na íntegra (4min3seg):

De acordo com o ministério da Saúde, o SUS (Sistema Único de Saúde) distribui gratuitamente todos os medicamentos antirretrovirais desde 1996, e há 7 anos, o governo provê tratamento para todas as pessoas vivendo com HIV (PVHIV), independentemente da carga viral.

Nesta 4ª, o presidente também disse que cortará impostos federais se Estados zerarem ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Ele ainda comentou episódios recentes na Casa Civil, como a demissão de 2 servidores. Ele afirmou que não exigiu nada do ministro Onyx Lorenzoni, que “sabe o que está fazendo”.

Demissões

Bolsonaro disse que uma reforma ministerial “é possível”, mas que “se tiver que mudar algum ministro, vocês vão saber na hora certa”. O presidente foi questionado diretamente sobre 2 ministros: Abraham Weintraub (Educação) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Ele não respondeu diretamente sobre Weintraub, afirmando que“toda semana a imprensa demite 1 ou 2 ministros”. Sobre Lorenzoni, o presidente comentou a declaração dessa 2ª feira (3.fev.2020), quando disse que “como eu não sou de recuar, não vou responder.”

Um repórter pediu ao presidente que explicasse a declaração.  O capitão replicou que “o objetivo é botar você para raciocinar”. Perguntado diretamente se Onyx fica, Bolsonaro repetiu: “raciocina.”

Bolsonaro disse que o chefe da Secom “continua mais firme do que nunca” e que ele “não é criminoso”. Wajngarten é investigado pela Polícia Federal por suspeita de corrupção – a pedido do Ministério Público, como o presidente fez questão de ressaltar.

“Você é da Folha, não é?”, disse o presidente ao jornalista que tinha feito a pergunta. “Muda o disco, está aí há 1 mês batendo no Wajngarten”.  

A Folha publicou uma série de reportagens mostrando possível conflito de interesses na função de Wajngarten na Secom. Ele é dono da FW Comunicação, que tem contratos com empresas contratadas pela secretaria.

  • Despesas e gastos são políticos corruptos que acabam com o nosso dinheiro! Que sempre causam estragos ediondos em nosso país e não tem vergonha de fazerem o que fazem! Perdemos muito e muito e muito! Corruptos entendam vocês são despesas e são caros demais!

Deixe seu comentário...

%d blogueiros gostam disto: